Nós.

Somos rima neste mundo escrito em prosa enfadonha. Somos o abstracto, de entre o concreto.

E, chamem-me masoquista, se assim quiserem, é bom sê-lo.

publicado por Gualter Ego às 20:53 | link do post | comentar