3.

O teu cabelo cheira a tabaco.

Cantas a dor e o temor.

Cantas o sono.

Cantas a beleza e o amor.

 

Mexes-te freneticamente.

Gritas.

Gemes.

 

Putas espanholas, com olhos de vidro.

Hotéis.

Campainhas.

Exércitos, que não te param.

 

Escondes-te atrás de um cigarro,

Para a frente e para trás,

Na tua cabeça.

 

És uma orquídea azul.

Tornas-te eu, lentamente.

 

Tens um coelho que salta.

E um tio que foi alvejado.

 

Tens aquelas mãos que curam

E aqueles olhos que vêem.

 

Quando me entras pelos ouvidos

É como uma luz,

Que alumia o caminho.

 

Deixa-me ser tu, lentamente.

 

 

 

 

publicado por Gualter Ego às 16:27 | link do post