#14

"Baque".

Ouvi eu, abraçado aos meus lençóis.

Levantei-me em sobressalto, dei com a minha mãe com lágrimas nos olhos a pedir socorro.

Estava a mãe da minha mãe ao fundo das escadas, caída, perecida, mas não vencida.

 

"Avó, levanta-te, vá, eu ajudo-te..."

 

O sangue.. oh tanto sangue. Sangue, SANGUE, que respingava no chão e pintava de vermelho o que é branco.

 

Não entro em prantos, nem em pânicos, nem sequer tremo, nem está frio.

 

Limpo o sangue do chão. Tanto sangue, sangue, sangue, sangue.

 

Não vou conseguir dormir.

Vi a minha criatura mais adorada no fundo do poço.

 

Estou sozinho.

Que faço eu?

Escrevo para quem não me lê.

publicado por Gualter Ego às 00:12 | link do post | comentar