Chamo-me João, não me chamo Narciso.

É fascinante como todos se amam uns aos outros e, no fundo, ninguém gosta de ninguém.

 

Eu limito-me a não gostar de mim próprio.

publicado por Gualter Ego às 22:29 | link do post | comentar