Estou à espera.

Estou à espera da maré que me vai levar, daqui.

Só os cheiros me prendem a este amontoado de betão chamado lar e às pessoas que vivem lá dentro, a que chamo de família.

 

Estou à espera do sono que me leve.

Sono profundo.

 

publicado por Gualter Ego às 20:44 | link do post