Domingo, 27.03.11

Zás.

Cospes o veneno do ódio,

E arrancas as farpas do dever

Com os dentes, podres de tanto roer.

E, de manhã, não se ouviu o galo cantar.

 

Não se ouviu o galo cantar,

Nem se viu o sol nascer:

Os olhos vazios e pálidos, brancos de defunto,

E os ouvidos cheios de nada e das ondas de som nenhum,

Encheram o quarto, a casa e o assunto.

publicado por Gualter Ego às 04:57 | link do post | comentar
Sexta-feira, 25.03.11

si}

Achaste, tocaste, moldaste,

Rasgaste e eu verguei.

Cuspi toda a minha dignidade,

E vomitei toda a minha altivez.

 

Foi,

Porém,

Esta, a última vez.

 

Verdade:

Ainda sinto o teu cheiro;

Nem que tenha de lavar o mundo inteiro,

Com lixívia e palha d'aço,

Por estas humilhações,

Outra vez, não passo.

publicado por Gualter Ego às 21:48 | link do post | comentar | ver comentários (2)
origem

Follow me, e assim...

origem

links

arquivos

Março 2011

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
14
16
17
21
22
23
26
29
31