da ignorãncia.

Entristece-me e envergonha-me haver tanta ignorância solitária no nosso mundo. Não é só a culpa que morre, como no dito, solteira, mas também a ignorância. Por mais que seja prazerosa (e ainda mais que para ver que a ignorância faz sorrir seja preciso, primeiramente, anulá-la), a ignorância vai construir uma sociedade de indivíduos que despreza o conhecimento e idolatra os prazeres nefastos e efémeros; um antro de bestas projectadas, numa vida que nem bobina do projeccionista, que recusam a olhar-se de cima a baixo e a avaliar-se a eles mesmos, não se importando com os efeitos parasitas em como os seus pensamentos afectam os seus actos, que começam e terminam no mesmo sítios, sem se mexerem, sem se importarem.

Não sinto raiva, nem superioridade, sinto vergonha.

publicado por Gualter Ego às 01:11 | link do post