O dente.

Atou uma guita ao dente e outra à maçaneta da porta. Empurrou a porta com vigor e determinação e o dente saltou e ficou a baloiçar, bem preso, na ponta da guita. Mas o dente que estava para cair não era aquele e eu, menino, deitei-me chorando baba e ranho.

publicado por Gualter Ego às 23:11 | link do post | comentar