Vestidos.

Não me importam os gritos,

Nem os grunhidos, nem os queixumes, nem os gemidos:

Vais perecer na ponta da minha espada,

Na ponta afiada da minha vingaça.

Vais sentir o frio travo do metal

Subir-te à boca e

Derreter-se na tua intocável língua.

E vais querer pedir perdão com os teus olhos

Esbugalhados, lânguidos assustados,

Olhos esses, que de tão vazios, eram,

Outrora, destemidos.

 

Pois está dito que,

Milady,

Os melhores vestidos são feitos

Para ser despidos.

publicado por Gualter Ego às 00:04 | link do post