Pouco.

O entrar sabe bem, o arder sabe bem, o escuro sabe bem. Nada há mais que o escuro arder do ser, perpétuo e observável, em cada respiro, em cada passo, em cada colher de sopa, e eu não tenho medo do escuro.

publicado por Gualter Ego às 02:21 | link do post