Rouge.

Chaga será essa que tens hoje,

Chaga de sempre, estigma gangrenada,

A mácula de algo que te foi roubado,

Por ela, não aches que assim,

Haja sangue tão vermelho como

Teus cabelos,

Deves achar menos de ti.

Pesar e luto, nessa face não quer vê-los.

 

Na palidez há quem veja mais que tentação;

Para o tempo que falta e está por vi

Ajude-me a razão.

 

 

publicado por Gualter Ego às 22:55 | link do post | comentar