Vampiros.

Triste fado,

Seja eu nascido e criado,

Seja ele cantado,

Não sendo eu de lutos e xailes,

Agradam-me mais os assuntos da carne

E os lânguidos bailes.

 

Não querendo por bem

Enganar quem me tem por bom homem,

Jovem feliz e sem maior mácula,

Sou uma besta,

Chama-me Drácula,

Sugar-te-ei o amor e a alma,

Qual sangue infernal

Bebido em lábios

Dessa tua gorja pálida e ardente.

 

Confesso um "amo-te";

Afinco-lhe o dente.

publicado por Gualter Ego às 18:41 | link do post | comentar