Das noites quentes e da voz abafada.

Temo que esta penúria de espírito se agrave com o viver dos anos e me torne num sonâmbulo lúcido perpetuado. Temo que tenha de morrer jovem, para justificar que sofro e que é o não querer acordar que escreve por mim, para aclamar a tão bem orquestrada mentira que sou, hoje e amanhã, porque o tempo é um lugar-comum sobrevalorizado, onde o sempre não devia existir, onde eu existo, em ti, em toda a gente, numa alegre balbúrdia, sem nome, sem sonhos e sem a morbidez dos ponteiros do relógio, nem o torpor das noites mal dormidas.

Deixa que te tome pela mão, deixa que as palavras se calem de uma vez por todas.

 

Light my candles in a daze, 'cause I've found God.

publicado por Gualter Ego às 21:17 | link do post