Pequeno.

Achas-te, reduzido ao teu real tamanho, insignificante?

Crês-te pequeno e inútil, preso na gigantesca eternidade do Universo?

És minúculo, sim, mas isso não te impede de, num sonho mais optimista, mudar, em jeito de revolucionário pseudo-anarquista, o mundo.

És tão minúsculo para a humanidade, como este mosquito, que aqui voa, por cima de mim, o é para este quarto. E, mesmo assim, impede-me de adormecer.

 

publicado por Gualter Ego às 20:13 | link do post | comentar