Rimando.

A alma fraca de um homem contrai-se aos gritos de dor de alguém querido.

É assim, ser de carne e osso.

É assim, querer viver sem ser mordido,

 

Pelo bicho da razão,

Que te diz o que fazer,

Que te diz o que comer e o que beber.

 

És fraco,

Ajoelhas-te perante o dogmatismo.

Dás o teu pescoço a cheirar,

A quem sabes que nunca,

Nunca vai encostar o seu nariz na tua pele.

 

Grito.

Gemo.

Como aranhiços,

Correm meus dedos

Pelas teclas de um qualquer piano velho.

 

As notas que ouves,

São meros pombos correio,

De um ingénuo e verde,

Mas sofredor paleio.

 

Fim, acabou.

publicado por Gualter Ego às 22:35 | link do post | comentar