Gatos.

Alberto, Norberto e Felisberto, três gatos brancos, com o focinho rasgado de listras de um castanho aclareado, pela genética felina, tendo Norberto manchas heterogéneas e monocromáticas entre o nariz e os olhos, passam o dia todo nisto: rolam, rebolam e mordem-se uns aos outros, enrolam-se, esticam-se e batem com as patinhas levemente nas orelhas empertigadas do irmão que estiver por sua vez de guarda, à beira do cesto vermelho furado em quadrado com um jornal desportivo a forrar o chão e um fofo casaco velho de malha grossa, verde e áspera a servir de aconchego aos bichinhos. Olham cá para fora com os olhos azuis bem abertos e o pescocito bem esticado. Bufam com força quando lhes tento alcançar. Mordem gentilmente o meu dedo brincalhão.

É um regalo só de olhar

publicado por Gualter Ego às 22:03 | link do post | comentar