Intervalo.

O limbo dos dias, o verdadeiro purgatório das almas, quando tudo é levado à barra dos tribunais celestes, quando saem porta afora os gatos pardos que não são gatos, se chama lusco-fusco. Aqueles longos minutos de tudos e quases depois de sol já posto estar, mas os candeeiros da rua ainda acesos não se estão. O cheiro a pinho dança na brisa do dia a adormecer, meia lua digna-se a aparecer e tudo está envolto numa película sombria de penumbra em contraluz, é tudo uma miopia nas coisas, o desfoque súbito de todos os objectos no sítio que tomam.

E se tudo isto for um sonho? Sonho não é, tanto que obedeço a todas as leis da física que se me apresentam, perpetuadamente caio à terra, corro, faço a Terra rolar debaixo dos meus pés.

E se tudo isto for um sonho de outrem? Ó diacho, que cousa é esta, que dizes tu rapaz, não blasfemes. A música das coisas salta nas duplicadas sombras que me perseguem numa correria desenfreada tocada por um saltitante guincho de um morcego confuso.

Tenho ganas de chorar, tenho vontades de rasgar a roupa e me deitar, assim, solenemente, no gramado frio do campo onde as cabras pastam e cagam, assim só, sem saberem que pastam e cagam, e mirar as estrelas.

Tenho demasiado pensar dentro da cabeça, engrenagens, brr-brr-brr-tchack-crack-brr, roldanas, cabos, vapor e ferrugem, o motor da Máquina do Mundo é alimentado a intervalos de pensar.

 

Tudo isto poderia ser objecto de tese filosófica, isto é, se eu tivesse mínimas respostas a todas as perguntas que me coloco e, não menos importante, as palavras todas que são necessárias para um bom discurso sobre os cenários metafísicos, os relativismos e as ilusões da mente, do pensamento, do êxtase que é ser e sonhar, e sonhar sendo. Mas como não as tenho, nem as respostas nem as palavras, prendo-me voluntariamente - rendo-me - à poesia, esse pico de montanha que está a um salto de pulga do pico da montanha da filosofia, mas com um abismo escuro, frio e inacabável a separar.

 

Tenho as pernas a tremer.

publicado por Gualter Ego às 15:53 | link do post | comentar