Cocó.

Quando vou obrar e há um pedaço de cocó que teima em não se ir com a força da água, aquela potência hidráulica causada pelo mecanismo do autoclismo, caio sempre no erro de lhe chamar cagalhão de merda.
E é assim que um insulto imponderado se transforma num pleonasmo brejeiro, mas que tem a sua certa piada naquele determinado ensejo.

publicado por Gualter Ego às 22:52 | link do post | comentar