O rouxinol.

Ah, tudo é símbolo e analogia!

Tudo se perde na fria simbologia,

E tudo é metáfora, idiossincrasia

(Que dor é esta, a de pensar de dia?).

 

Tu o que olho e escrevo,

É o que me dita os sentidos,

Seja o latir do cão nervoso,

Seja um céu de azuis aguerridos.

 

Assim, tudo é ilusão,

Mas não é por mal, é a língua do coração,

Por isso, para mim, para ti,

Nunca alguma coisa pode ser igual.

 

A dura verdade,

Meu amor, é fatal:

O mais belo chilrear de um rouxinol

Não passa de um chamamento sexual.

 

 

publicado por Gualter Ego às 20:55 | link do post | comentar