Boa noite.

Idolatrem as minhas feridas abertas, venerem todas as minhas úlceras e as minhas chagas infectadas e o pus que delas sai esguichando.

Deliciem-se com o sangue da minha pobre e insignificante maneira de existir.

Prova, não tenhas medo; asseguro-te que a minha carne é fresca.

publicado por Gualter Ego às 19:58 | link do post | comentar