A inquietação desse teu beijo.

Sou uma besta,

Porque não sou Deus algum.

Se te quero, se estou contigo,

És mais que a solidão e o lugar nenhum.

 

Se no fumo do cigarro,

Se solta a voz e o coração,

Respiro fundo, o nosso ar,

Não é amor, é tesão.

 

À imagem imaculada,

De um selvagem animal negado,

Às raízes, retornado,

Chora-me a alma, cansada.

 

Olhas,

Mas não me vês.

publicado por Gualter Ego às 23:03 | link do post | comentar